A menina, na época (2005) com apenas 15 anos, foi atropelada e faleceu ali mesmo no local, km 483, aos olhos da mãe por uma ambulância da prefeitura de Capanema. O pai, hoje com 70 anos, foi atropelado por um caminhão neste dia 29 de setembro de 2017 e corre o risco de perder as duas pernas.

Parece uma simples coincidência? Mas não é o que acha os filhos do seu Idocricio, que vieram de Florianópolis prestar auxílio ao pai que está internado na UTI do Hospital Regional com um quadro gravíssimo.

Rosane Mariano, filha do seu Idocricio, foi nas rádios e na imprensa para cobrar da Prefeitura de Francisco Beltrão uma atitude em relação ao trecho que dá acesso a comunidade Osvaldo Cruz, no Km 23.

“Já aconteceu várias vezes. No mês passado houve outra morte. Minha irmã faleceu também quando cruzava a rodovia e agora meu pai”, explica Rosane.

“Este trecho da rodovia é muito perigoso. Os veículos de transporte coletivo param no acostamento e as pessoas precisam passar a rodovia para ter acesso a comunidade”, explica Luiz Carlos Mariano, também filho de Idocricio.

“Está na hora da prefeitura tomar uma atitude”, falaram os filhos da vítima que sugeriram, algumas opções como uma passarela e redutor eletrônico de velocidade.