Entre as iniciativas, o envio de ofícios ao TRE do Paraná, ao TSE em Brasília e aos deputados da região; a ideia é mostrar indignação, força política e unidade de propósitos

Como tem acontecido em todo Sudoeste, as comarcas estão se mobilizando em favor da manutenção das respectivas zonas eleitorais. Ontem, foi a vez de Francisco Beltrão, com coordenação da juíza Carina Daggios e a presença de lideranças locais e regionais. A conclusão unânime foi na defesa da atual situação, ou seja, que a 69ª ZE permaneça como está, atendendo Beltrão, Eneas Marques e Manfrinópolis (mais de 70 mil eleitores).

Entre os argumentos, que a economia com a diminuição de zonas eleitorais seria ínfima, menos de 0,5% do orçamento da Justiça Eleitoral brasileira. E prejudicaria as pessoas, porque teriam que se deslocar para municípios mais distantes, causando transtorno e desânimo.
São cerca de 200 zonas eleitorais no Paraná e a previsão, caso a resolução do TSE seja confirmada, seria a extinção de 80, atingindo também o Sudoeste.

“Não sabemos o que pode acontecer, poderemos perder municípios, que iriam para uma zona eleitoral mais distante; ou poderemos ter mais municípios para a 69ª, dificultando o atendimento que temos, por exemplo, no período eleitoral”, comentou a juíza Carina.

Entre as iniciativas sugeridas na audiência pública de ontem, no Fórum da Justiça Eleitoral, o envio de ofícios ao TRE do Paraná, ao TSE em Brasília, aos deputados da região (são três federais e seis estaduais). A ideia é mostrar indignação, força política e unidade de propósitos na luta.

Registre-se que o TRE está ao lado dos municípios, contra o TSE, inclusive argumentando que essa decisão de diminuir zonas eleitorais, caso fosse necessária, seria dos tribunais regionais, e não do Tribunal Superior.

Lideranças engajadas

O prefeito Maikon Parzianello (PSDB de Eneas Marques) lembrou ainda a tradição histórica do seu município de fazer parte da região que tem Beltrão como polo. “Não só no plano eleitoral, mas na saúde também”, exemplificou. “Se tiver que ir para mais longe será prejudicial”, completou.

A presidente da Câmara de Vereadores de Beltrão, Elenir Maciel (PP) também prometeu empenho nessa luta, defendendo a manutenção da realidade atual. No mesmo sentido se manifestou o promotor Roberto Tonon.

O diretor do Fórum, Arno Wolf, também se posicionou no mesmo sentido. “Eles [Brasília] não conhecem a nossa realidade; tomam decisões burocráticas”, sentenciou.
As comarcas de Santo Antônio do Sudoeste e Chopinzinho também se manifestaram junto ao TRE recentemente, depois de suas audiências públicas.

Coronel Vivida, Salto do Lontra, Dois Vizinhos e Barracão também tiveram audiências. No plenarinho da Assembleia também foi feita uma mobilização em defesa das atuais zonas eleitorais.

Fonte: Jornal de Beltrão